Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




FESTin 2015 em Lisboa | uma proposta

por A Outra Metade do Mundo, em 12.04.15

Esse-viver-ninguem-me-tira-2.jpg

ESSE VIVER NINGUÉM ME TIRA 

12 Abril, 17h, Sala Manoel de Oliveira, São Jorge

Brasil, 2013, 75 minutos

Realização: Caco Ciocler

“Aracy era uma mulher linda!” É a partir dessa frase que o realizador inicia sua busca por Aracy de Carvalho Guimarães Rosa. Heroína anônima, morreu esquecendo e sendo esquecida, vítima do alzheimer e de um país também sem memória. Única brasileira considerada uma justa entre nações, viveu à sombra do marido famoso, o escritor João Guimarães Rosa. Sua atuação subversiva no consulado brasileiro em Hamburgo na Alemanha Nazista salvou vidas. Com pouquíssima documentação disponível e impedido de falar sobre sua relação com o marido por questão de direitos autorais, o diretor joga luz à essa existência através de suas próprias motivações pessoais.

 

FRATERNURAS – Domin Maun-Alin   

13 Abril, 18h, Sala Montepio, São Jorge

Portugal, 2014, 27 minutos

Realização: Maria João Coutinho e Simion Doru Cristea

Cinco figuras timorenses eminentes, Pascoela Barreto, Luís Costa, João Piedade, S.J., Luís Cardoso, debatem o panorama atual da cultura do seu país, com enfoque na língua e na literatura.

Após a sessão, o debate passa a ser ao vivo com Pascoela Barreto, José Amaral, Tiago Bastos, Paulo Pires, Georgina Benrós de Mello e Maria Coutinho na mesa-redonda Timor, Janela Aberta .

 

A NAÇÃO QUE NÃO ESPEROU POR DEUS

13 Abril, 19h30 | sala 3, São Jorge

Portugal/ Brasil, 2014, 89 minutos

Realização: Lucia Murat e Rodrigo Hinrichsen
Em 1999, Lucia Murat filmou Brava Gente Brasileira, um filme de época que contou com a participação dos índios Kadiwéu, que vivem no Mato Grosso do Sul. A Nação Que Não Esperou Por Deus é um documentário sobre essa tribo. Nesses 15 anos, a luz elétrica chegou à aldeia e, com ela, a televisão, as novelas e todo o mundo do entretenimento. Cinco diferentes igrejas evangélicas se estabeleceram na reserva, todas lideradas por pastores índios. Ao mesmo tempo, os Kadiwéu voltaram a lutar pela demarcação de suas terras, retomando áreas em mãos de pecuaristas. O documentário procura mostrar esses diferentes caminhos.

 

ÁGUA PARA TABATÔ

13 Abril | 23h | sala 3, São Jorge

Guiné-Bissau/Portugal, 2014, 46 minutos

Realização: Paulo Carneiro

Em 2011, o realizador Paulo Carneiro participou nas filmagens na Guiné-Bissau de Batalha de Tabatô, obra de João Viana que posteriormente correria mundo e seria selecionado para o Festival de Berlim. A equipa desloca-se num barco para a ilha de Bolama, mas a viagem não corre bem: num dado momento, o barco pára e reina a confusão. O realizador não consegue deixar de filmar o que se passa a seguir… Este é o primeiro média-metragem do cineasta lisboeta, que estreou com a curta-metragem Oh Johny e, para além de Viana, trabalhou com nomes como Joaquim Pinto e Albert Serra. Água para Tabatô venceu o prémio principal do festival de Martil no Marrocos e foi selecionado para o Jihlava na República Checa.

 

KORA 

15 Abril, 19h, Instituto Cervantes Lisboa

Portugal/ Guiné-Bissau, 2014, 70 minutos | (Fora de competição)

Realização: Jorge Correia Carvalho

Motivo de orgulho de nações que nasceram de tribos sem fronteiras, existem discrepâncias sobre a origem desse importante instrumento musical da África Ocidental, o Kora, mas é na Guiné-Bissau que muitas das lendas sobre a sua invenção se cruzam. Uma viagem no espaço e no tempo, por toda uma população que ainda reclama o kora como único e seu, transportando-nos além tempo numa atmosfera única entre o real e a ficção.

 

TANGO NEGRO

14 Abril, 19h, Instituto Cervantes Lisboa

Argentina/ França, 2013, 93 minutos, Documentário

Realização: Dom Pedro

Nos seus primórdios, antes de tornar-se famoso e sofisticado, o tango era uma música de rua, popular e festiva. No entanto, as origens do Tango geram muitas polémicas entre os estudiosos. Este documentário de Dom Pedro defende a ideia de que o Tango surgiu em meados do século XIX por iniciativa de antigos escravos negros que foram esquecidos pela História nacional.

 

Programa completo aqui | Cinema São Jorge | Instituto Cervantes Lisboa 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:56



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D



Passaram por aqui: